Brasil só perde para Indonésia na concentração de investimento “em casa”

Tantos pessoas como instituições financeiras são propensas a investirem em ativos domésticos em detrimento dos externos em todo o mundo, fenômeno que é chamado de “home bias”. Contudo essa tendência é mais forte ainda em mercados em crescimento, especialmente o brasileiro. É o que aponta o estudo “Preso em Casa: Home Bias em Portfólios”, da consultoria especializada em investimentos Mercer.

Em um levantamento com 12 países em crescimento, o Brasil só perde na concentração do investimento “em casa” para a Indonésia. No país, a alocação dos fundos de pensão no mercado de ações nacional é de 94% em relação ao peso do mercado no índice de ações global. Na Indonésia, o índice sobe para 100%, enquanto no Peru, país em crescimento na outra ponta da lista, desaba para 27%.

Veja abaixo o levantamento completo feito pela Mercer:

Estudo sobre home bias, da MercerMercer/Reprodução

Embora o home bias resulte em concentrações de risco abaixo do ideal, reduzindo a eficiência dos portfólios e tornando-os vulneráveis a uma variedade de riscos de curto prazo, o fenômeno ainda é preponderante por uma série de razões, como a incidência de impostos, a volatilidade cambial, barreiras regulatórias e custos de transação.

“É importante reconhecer que as regulamentações governamentais geralmente limitam o nível permitido de exposição internacional – mas, em nossa experiência, de modo geral os investidores subutilizam a permissão de exposição internacional dessas normas”, afirma Mauricio Martinelli, líder de Investimentos da Mercer Brasil.

Hora de sair de casa

De acordo com o estudo, ao se concentrarem demais no mercado doméstico, os investidores negligenciam todo o espectro de oportunidades, como investimentos em empresas de tecnologia inovadoras e disruptivas e setores econômicos para os quais não há como ter exposição no mercado doméstico. “Os universos de investimento doméstico geralmente oferecem participações muito limitadas no crescimento econômico e corporativo global”, contextualiza Martinelli.

Outra limitação comum do home bias é a variedade, a qualidade e a profundidade das estratégias e dos produtos de investimento oferecidos. O significado disso pode ser ainda mais problemático em países com pequenos mercados de capitais e setores financeiros em desenvolvimento. As ofertas domésticas podem limitar-se a simples mandatos de títulos e ações domésticos, gerenciados por um
pequeno número de gestores com abordagens sem diferenciação.

“Ao se limitarem a estratégias e produtos dominados pela exposição doméstica, os investidores renunciam a uma ampla gama de oportunidades fora do mercado local – restringindo a eficiência da construção de portfólio e da gestão de riscos – com custos de oportunidade particularmente altos
em mercados nacionais pequenos ou restritos”, complementa o consultor.

“Temos estimulado nossos clientes a revisar suas alocações estratégicas e a reavaliar a lógica do investimento direcionado ao home bias em diferentes classes de ativos. O lar é onde está o coração, mas às vezes os investidores devem sair de casa para obter os melhores resultados de investimento”, conclui Martinelli.

The post Brasil só perde para Indonésia na concentração de investimento “em casa” appeared first on Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *