Cielo divulga impacto da pandemia e aponta futuro com Cielo Pay

Por causa da pandemia do novo coronavírus, parte das vendas que eram transacionadas nas maquininhas de supermercados, farmácias e lojas de departamento migrou para sites e aplicativos. Mas o link de pagamento e o ecommerce não foram suficientes para compensar a queda das vendas presenciais. Desde o surto da covid-19, o varejo total recuou 26,3% no Brasil, de acordo com dados da Cielo. Esse quadro desafiador tem implicação no resultado do segundo trimestre da líder em maquininhas no país, que será divulgado nesta terça-feira, 28.

Nesse cenário, é possível que a antecipação de recebíveis apareça no balanço como uma fonte importante de receita, especialmente em um momento que a torneira de crédito está fechada para pequenas e médias empresas. Mas nem isso deve ser suficiente para a companhia ficar no azul.

A expectativa dos analistas do BTG Pactual é que a receita líquida caia 45% em relação ao mesmo período do ano passado, quando a maior adquirente do país – em participação de mercado – totalizou um faturamento superior a 3 bilhões de reais. Já o lucro de 1 bilhão de reais em 2019 deve se transformar em prejuízo. No primeiro trimestre de 2020, a companhia comandada por Paulo Caffarelli teve lucro de 167 milhões de reais.

Nos próximos trimestres, a empresa deve emitir cartões pré-pagos e prestar serviços de carteiras digitais de maneira independente, já que recentemente recebeu o aval do Banco Central de emissora de moeda eletrônica. “Representa um passo importante no processo de construção de seu banco digital, Cielo Pay”, escrevem analistas da Guide. A plataforma hoje já tem mais de 100.000 clientes que, agora, poderão receber recursos por meio de transferências eletrônicas. Até então, só podiam fazer TEDs e DOCs.

Outra mudança que pode ampliar o alcance da Cielo é a parceria com o Facebok para criar um sistema de pagamento via WhatsApp – anunciado em junho, mas depois bloqueado pelo BC. As companhias terão até 10 de agosto para detalhar a remuneração prevista de cada parte para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Com a diversificação de iniciativas, a Cielo pretende se preparar para um varejo menos dependente das maquininhas, quando o sistema de pagamento PIX entrar no ar, em outubro. Mas até lá ainda vai ter que processar muitas transações para compensar o resultado no trimestre.

The post Cielo divulga impacto da pandemia e aponta futuro com Cielo Pay appeared first on Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *