Mercado Livre é o vencedor do e-commerce na pandemia, diz Bradesco

O marketplace Mercado Livre é o grande vencedor da guerra do comércio eletrônico durante a pandemia, segundo o Bradesco, e deve chamar a atenção dos investidores na divulgação dos resultados, prevista para o final deste mês.

“Acreditamos que o Mercado Livre terá um trimestre muito mais forte no Brasil do que o esperado inicialmente”, diz o banco em relatório. As vendas gerais do Meli devem subir 4 bilhões de reais, mais do que outros concorrentes, que devem ganhar de 3 a 3,5 bilhões de reais a mais nas receitas no trimestre.

O Bradesco inicialmente havia levantado dúvidas sobre o cenário competitivo no início do ano. Também olhou com certa preocupação o impacto do novo sistema de pagamentos pelo Whatsapp no braço financeiro do grupo, mas o sistema acabou sendo suspenso por determinações do Banco Central e do Conselho Administrativos de Defesa Econômica (Cade).

Além disso, Magazine Luiza, B2W e Via Varejo, em profunda transformação interna, são competidores cada vez fortes no comércio eletrônico. Para o Bradesco, o Mercado Livre teve vendas decepcionantes na Black Friday do ano passado e apresentou um resultado fraco no primeiro trimestre deste ano. Agora, no entanto, a empresa de marketplace está de volta ao jogo.

O potencial de crescimento das ações, segundo o Bradesco, é de 30%, enquanto Lojas Americanas e Via Varejo podem crescer 16% e 12%, respectivamente, com pouco potencial para B2W e Magalu.

Meios de pagamento

A aceleração do comércio eletrônico não é o único impacto positivo da pandemia para a empresa. Consumidores também se voltaram para os meios de pagamento digitais. Por isso, o banco acredita que a divisão Mercado Pago deve ter um trimestre forte na Argentina, país no qual pequenas lojas de bairro intensificaram o uso de meios de pagamento digitais.

O lançamento do PIX, estrutura de pagamentos instantâneos do Banco Central no Brasil, também pode ajudar a companhia. “Agora acreditamos que a oportunidade de uma adoção maior do ecommerce, facilitada pelo PIX, é maior que o risco de novos entrantes”, diz o banco em relatório.

Corrida acelerada

Todos os grandes nomes do comércio eletrônico viram as ações crescer mais de 70% desde o começo do ano. Se em 2015 o mercado de comércio eletrônico brasileiro chegou a 48,4 bilhões de reais e a 4,6% do mercado, cinco anos depois o mercado deve chegar a 123,7 bilhões de reais e a participação de 9,5% nas vendas.

Em junho, o Bradesco alertou o mercado sobre os riscos dessa corrida. A aceleração dessas vendas – e da valorização das ações – não deve durar para sempre. “Quando a euforia de curto prazo em torno das altas taxas de crescimento desaparecer, e o crescimento do volume geral de vendas desacelerar inevitavelmente à medida que as lojas reabrem, vemos os riscos que esses múltiplos podem contrair”, escreveu o banco em relatório, sobre os múltiplos entre o valor de vendas e as ações.

Na ocasião, o Bradesco rebaixou a recomendação para o Magalu e a B2W, dona da Americanas.com e Submarino.com, de compra para neutro. Agora, em um novo relatório, elevou a recomendação de compra do Mercado Livre para compra, assim como Via Varejo e Lojas Americanas.

Com a corrida pelo bolso – digital – do consumidor cada vez mais intensa, as apostas sobre quem será o vencedor dessa briga também sobem. 

The post Mercado Livre é o vencedor do e-commerce na pandemia, diz Bradesco appeared first on Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *