Ciclone bomba pode frear chegada de gafanhotos ao sul do país

Para tempos extremos, soluções dramáticas. O ciclone bomba que deixou o céu com aparência apocalítica e causou destruição no Sul pode salvar o Brasil de outro fenômeno natural de ares bíblicos.

A nuvem de gafanhotos que ameaça entrar no Sul deve ser destruída pelo frio. O meteorologista Marcelo Seluchi, coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), acredita que o frio vai segurar os gafanhotos.

“O frio trazido pelo ciclone deve acabar com eles. Pode gear e até nevar nas serras do Sul e isso é um obstáculo intransponível para os gafanhotos, que não sobrevivem em tão baixas temperaturas”, diz Seluchi.

Neste momento, os gafanhotos estão na Argentina sob efeitos do mesmo ciclone. E devem morrer por lá, se o frio continuar, o que é certo, segundo os serviços de meteorologia.

Em parceria com o climatologista Carlos Nobre, Seluchi havia realizado na semana passada uma análise preliminar sobre a praga de gafanhotos. A nuvem é formada pela aglomeração de milhões desses insetos normalmente solitários.

Gatilhos climáticos os fazem mudar da fase solitária para a gregária, numa das transformações mais radicais e grandiosas da natureza. Este ano, o gatilho climático foi, de acordo com Seluchi e Nobre, o longo período seco em todo o centro-sul da América do Sul (Paraguai, sul do Brasil, centro-leste da Argentina e Uruguai). Abril, em especial, foi anomalamente seco.

Agora, o frio de um dos ciclones mais fortes dos últimos anos pode matar os insetos. Seluchi observa que o ciclone desta semana chama atenção pela intensidade dos ventos. Isso aconteceu, segundo ele, porque este ciclone, diferentemente da maioria desses fenômenos climáticos, se formou sobre o continente e não sobre o oceano. Isso fez com que se deslocasse pela terra com força muito maior.

No entanto, ele destaca que as rajadas de ventos com 100 km/h registradas no oeste de Santa Catarina não foram causadas pelo diretamente pelo ciclone e sim por tempestades de uma linha de instabilidade. A diferença tem importância. Os ventos do ciclone são menos velozes, ainda assim devastadores porque são sustentados. Isto é, venta forte por muito tempo e não apenas em rajadas violentas, porém, breves.

O ciclone chega a São Paulo e ao Rio de Janeiro com ventos sustentados de 30 km/h a 40 km/h e deve manter a temperatura baixa até o fim de semana.

Apesar de muito forte, o ciclone não pode ser atribuído diretamente a mudanças climáticas, explica Seluchi. Ele se enquadra às previsões das consequências de mudanças no clima. Porém, o Brasil não tem séries históricas consistentes desses fenômenos que permitam fazer uma avaliação precisa

The post Ciclone bomba pode frear chegada de gafanhotos ao sul do país appeared first on Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *